quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

06 - ROMANCEIRO * Alentejo



Campo de papoilas
 Foto Internet, com a devida vénia





«O Alentejo não tem sombra 

senão a que vem do céu…» 

Se tanta lonjura assombra, 

mais assombra a tremulina 

que cai, em dourado véu, 

sobre o espanto da campina. 




São os caminhos dos olhos 

a rasgar os horizontes, 

onde o «alecrim aos molhos» 

perfuma a sede das fontes 

e a ternura das cantigas 

doira a fome nas espigas. 



É esta raia de Espanha 

acendendo a tentação 

de buscar em terra estranha 

o alor que leveda o pão… 

Sonho roendo as entranhas 

em dorida punição. 



É esta angústia que canto 

da promessa dum país, 

é este parto de espanto, 

nos desolados adis, 

um manto que tudo cubra, 

sangrando, em papoilas rubras. 




José-Augusto de Carvalho 
Lisboa, 22 de Janeiro de 2013.