sábado, 28 de novembro de 2009

10 - JORNAL DE PAREDE * Impunidade

Tamar Levi, minha querida amiga e poetisa, médica de profissão, enviou-me este mimo do seu/nosso Brasil. Aqui fica, para que conste…

20/01/2008
POR FAVOR, DIVULGUEM, ESPALHEM…
BANDIDO PRIVILEGIADO

Um assaltante foi preso em flagrante esta semana, em Manaíra, bairro nobre (da cidade) de João Pessoa. A polícia o pegou com a mão na massa, apontando a arma para a vítima. Por isso o levou para a Central, destino de todos os bandidos, para de lá ser recambiado ao presídio, como sempre acontece. Eu disse como sempre acontece, mas menti. Acontecia. Com o assaltante de Manaíra aconteceu diferente. Por ser filho de um ex-deputado, empresário bem sucedido e altíssima autoridade da Prefeitura, o rapaz não foi para o presídio. Sequer foi preso. Na Central, a polícia o preservou da imprensa e do incômodo de se ver trancado numa cela comum, ao lado de seus colegas de profissão.
O rapaz, ao chegar na Central, deparou-se com um batalhão de advogados, cada um falando mais alto do que o outro para mostrar serviço. Lá de cima veio a ordem para ele ficar trancado numa sala reservada e especial, embora não seja portador de diploma superior. Ficou lá, guardadinho, sentadinho, sem que ninguém lhe tocasse num fio de cabelo. Os próprios policiais reclamavam do privilégio. Se os pobres bandidos pobres vão para a cela, são fotografados de cuecas, algemados, servindo inclusive de moldura para o secretário tirar retrato e ser filmado pela tv, por que aquele jovem ficava guardado numa sala, longe de tudo e de todos?
O mais danado é que o bandido não esquentou nem o canto. Dali a pouco desembarcou na Central de Polícia uma ordem de habeas-corpus mandando soltá-lo. Saiu da sala especial e retornou aos braços da família, onde foi curtir, no aconhego do lar nobre e de cobertura, a sua aventura pelo submundo do crime.
Não sei com qual cara o secretário de Segurança vai aparecer, de agora em diante, na frente dos jornalistas, exibindo os seus troféus. Juro que estarei presente para perguntar por que ele usa dois pesos e duas medidas. Essa eu não perderei nem cagando…
Migrado de outro espaço.

10 - JORNAL DE PAREDE * «Dize-me com quem andas...»

Escolhi este velho aforismo para título do que Hugh Thomas regista no seu livro A GUERRA CIVIL DE ESPANHA, publicado em Portugal pela Editora Ulisseia, sob tradução de Daniel Gonçalves.


No dia 15 de Agosto (de 1936), a bandeira republicana foi substituída pela bandeira monárquica. Numa cerimónia solene, em Sevilha, Franco apresentou-se na varanda dos Paços do Concelho, beijou várias vezes a bandeira e gritou para a multidão concentrada na praça: «Aqui está! É nossa! Queriam privar-nos dela!» O cardeal Ilundaín, de Sevilha, beijou também a bandeira. Depois Franco prosseguiu: «Esta é a nossa bandeira, aquela à qual prestámos juramento, aquela por que morreram nossos pais, cem vezes cobertos de glória.» Franco terminou com lágrimas nos olhos. Queipo de Llano falou depois e perdeu-se numa série de desatinos sobre as diferentes bandeiras que tinham representado a Espanha em várias épocas. Finalmente comparou as cores monárquicas com «o sangue dos nossos soldados, generosamente derramado, e o solo da Andaluzia, dourado de trigais. Encerrou a arenga com as suas habituais referências à «ralé marxista». Durante este discurso, Franco e Millán Astray, o fundador da Legião Estrangeira (que voltara da Argentina depois do levantamento), que se encontravam ao lado de Queipo, tiveram dificuldade em reprimir o riso. Queipo concluiu declarando que a intensa emoção que sentia o impedira de fazer o género de discurso que tinha em mente. Falou depois Millán Astray, um homem em cujo corpo eram mais a lacunas da carne arrancada pela metralha do que as partes que lhe restavam relativamente intactas. Só tinha uma perna, um braço, um olho e poucos dedos na única mão que ainda conservava. «Não temos medo deles», bradou. Eles que venham e mostrar-lhes-emos do que somos capazes debaixo desta bandeira.» Ouviu-se um brado isolado: «Viva Millán Astray!» «Que vem a ser isso?, gritou o general. Nada de vivas para mim! Mas digam todos comigo: Viva la muerte! Abajo la inteligencia!»

Federico Garcia Lorca seria assassinado três dias depois, na mesma Andaluzia (arredores de Granada)…
Migrado de outro espaço.

10 - JOR NAL DE PAREDE * Os 3 da vida airada...



PS, PSD e CDS chumbam inquérito parlamentar sobre voos CIA
PS, PSD e CDS-PP rejeitaram esta quinta-feira a constituição de uma comissão de inquérito parlamentar para investigar responsabilidades do actual e anteriores Governos na alegada utilização do espaço aéreo nacional para actividades ilegais da CIA.
A comissão de inquérito foi proposta pelo PCP e contou com o apoio das bancadas do Bloco de Esquerda e do Partido Ecologista «Os Verdes».
No debate em plenário desta proposta, que decorreu quarta-feira, PS, PSD e CDS-PP justificaram a rejeição da comissão de inquérito por considerarem que não há quaisquer provas de ilegalidades.
«Não se pode apurar responsabilidades de factos que não tiveram lugar», defendeu o socialista Vera Jardim, considerando que um inquérito parlamentar sobre este assunto «não é adequado, não é proporcional, não é oportuno».
(…)
Diário Digital / Lusa
11-01-2007 20:16:00

Migrado de outro espaço.

domingo, 22 de novembro de 2009

13 - CALEIDOSCÓPIO * Desespero



Os lábios comprimidos.

Na roxa cicatriz,

os silêncios feridos.








José-Augusto de Carvalho
22 de Novembro de 2009.

sábado, 21 de novembro de 2009

13 - CALEIDOSCÓPIO * Saudação



Saúdo o Tempo que passa

e me leva em seu passar,

porque a inércia não existe.





José-Augusto de Carvalho
Évora*Portugal, 17/11/2009.
.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

13 - CALEIDOSCÓPIO * Dia



Distinguem com honrarias



alguns dias de entre os mais...



Para quando sempre o Dia?



José-Augusto de Carvalho
26 de Março de 2005.
Viana*Évora*Portugal

domingo, 15 de novembro de 2009

13 - CALEIDOSCÓPIO * Discórdia



Quando tu gritaste isto é meu,

logo a discórdia corrompeu

o nosso da fraternidade.

José-Augusto de Carvalho
22 de Abril de 2004.

Viana*Évora*Portugal

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

05 - REFLEXÕES * Caminhos...



Impenitente aprendiz, registo os sinais da memória vigilante. Aqui, é um caminho sem pressa de chegar; alí, é um valado bem guardado de silvas, amodorradas ao sol, enquanto as suas amoras amadurecem a saborosa guloseima da passarada; além, é o monte silencioso, no abandono da terra; mais além, em todo o derredor, é o azul, numa campânula celeste de parada beleza.


Ah, Se fores ao Alentejo, / não bebas em Castro Verde, / que as fontes cheiram a rosas / e a água não mata a sede.


O silvo de um comboio corta o silêncio. Os carris rasgam a imensidão das herdades. São raras as povoações que serve neste percurso ferroviário do Barreiro à Funcheira. Muitas das estações ficam a uma distância de quilómetros. Algumas já foram desactivadas e, ao abandono, arruinam-se. O critério que determinou o rasgar desta Linha de Sul não teve seguramente a finalidade de servir as populações. Assim foi no século XIX, assim foi no século XX, assim continua neste século XXI.


Aqui, as minhas primeiras idas a Lisboa eram uma aventura: de churrião, cumpria os quatro quilómetros da vila até à estação, estação que foi desactivada, se a memória me não trai, na década de sessenta do século XX. Hoje, para utilizar a linha férrea, terei de cumprir seis quilometros, de táxi, até à estação mais próxima, situada noutro concelho.
Uma maravilha de serviço público!


Há cerca de ano e meio, devido a internamento hospitalar de minha mulher, em Évora, durante um mês, utilizei, diariamente, o transporte colectivo rodoviário. Apenas de segunda a sexta-feira, por não haver esse transporte aos sábados, domingos e feriados.
Outra maravilha de serviço público!


Este é o país real.


Até sempre!
Gabriel de Fochem

terça-feira, 10 de novembro de 2009

01 - POSIÇÃO * Neste chão!




Não canto, porque não quero,
nem filhos de algo, nem clero.

Poeta, filho do vento,
invento os meus pergaminhos!
Que fiquem, por testamento,
ao pó de incertos caminhos!

Poeta sou, panteísta!
Acima de mim permito
apenas quem, alquimista,
poemas faz de infinito.

Poeta sou, neste chão!
E canto como quem lavra
uma promessa de pão
suado em cada palavra...





José-Augusto de Carvalho

17 de Abril de 2006.
Viana * Évora * Portugal
In Da humana condição, Março de 2008.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

10 - JORNAL DE PAREDE * OUTRORAGORA...





Naquele tempo, Jesus subiu ao monte seguido pela multidão e, sentado sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem. Depois, tomando a palavra, ensinou-os, dizendo:


Em verdade vos digo,

-Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.

-Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.

-Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles...


Pedro interrompeu:

- Temos que aprender isso de cor?


André disse:

- Temos que copiá-lo para o papiro?


Simão perguntou:

- Vamos ter teste sobre isso?


Tiago, o Menor, queixou-se:

- O Tiago, o Maior, está sentado à minha frente, não vejo nada!


Tiago, o Maior, gritou:

- Cala-te, queixinhas!


Filipe lamentou-se:

- Esqueci-me do papiro-diário.


Bartolomeu quis saber:

- Temos de tirar apontamentos?


João levantou a mão:

- Posso ir à casa de banho?


Judas Iscariotes exclamou:

(Judas Iscariotes era mesmo malvado, com retenção repetida e vindo de outro Mestre)

- Para que é que serve isto tudo?


Tomé inquietou-se:

- Há fórmulas? Vamos resolver problemas?


Judas Tadeu reclamou:

- Podemos ao menos usar o ábaco ?


Mateus queixou-se:

- Eu não entendi nada... ninguém entendeu nada!


Um dos fariseus presentes, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada, tomou a palavra e dirigiu-se a Ele, dizendo:

Onde está a tua planificação? Qual é a nomenclatura do teu plano de aula nesta intervenção didáctica mediatizada? E a avaliação diagnóstica? E a avaliação institucional? Quais são as tuas expectativas de sucesso? Tens a abordagem da área em forma globalizada, de modo a permitir o acesso à significação dos contextos, tendo em conta a bipolaridade da transmissão? Quais são as tuas estratégias conducentes à recuperação dos conhecimentos prévios? Respondem estes aos interesses e necessidades do grupo de modo aassegurar a significatividade do processo de ensino-aprendizagem? Incluíste actividades integradoras com fundamento epistemológico produtivo? E os espaços alternativos das problemáticas curriculares gerais? Propiciaste espaços de encontro para a coordenação de acções transversais e longitudinais que fomentem os vínculos operativos e cooperativos das áreas concomitantes? Quais são os conteúdos conceptuais, processuais e atitudinais que respondem aos fundamentos lógico, praxeológico e metodológico constituídos pelos núcleos generativos disciplinares, transdisciplinares, interdisciplinares e metadisciplinares?


Caifás, o pior de todos os fariseus, disse a Jesus:

- Quero ver as avaliações do primeiro, segundo e terceiro períodos e reservo-me o direito de, no final, aumentar as notas dos teus discípulos, para que ao Rei não lhe falhem as previsões de um ensino de qualidade e não se lhe estraguem as estatísticas do sucesso. Serás notificado em devido tempo pela via mais adequada. E vê lá se reprovas alguém! Lembra-te que ainda não és titular e não há quadros de nomeação definitiva!...


E Jesus pediu a reforma antecipada, aos trinta e três anos...



Nota: Recebi sem indicação de autor.
Publicada por José-Augusto de Carvalho

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

06 - ROMANCEIRO * Vocês...




Vocês vieram depois
das trevas da noite densa
e encaram com displicência
os medos da nossa insónia...

Vocês vieram depois
dos tempos das grandes fomes,
quando nos negaram ter
nosso tempo de meninos...

Vocês vieram depois
do tempo da delação,
das masmorras e torturas
de todos os Tarrafais...

Vocês vieram depois
e nem sequer lhes ocorre
que nós arriscámos tudo
para erguer este depois...

Vocês vieram depois
e não nos devem nada...



José-Augusto de Carvalho
Lisboa, 3 de Setembro de 1996.



1- Memória do nazifascismo.
2- O Campo de Concentração do Tarrafal, em Cabo Verde, mandado construir pela ditadura fascista de Salazar, foi inaugurado em 1936 e encerrado em 1954. Em 1962, voltou a reabrir, mas só para os naturais das ex-colónias portuguesas, e foi definitivamente encerrado após o 25 de Abril de 1974.