terça-feira, 10 de novembro de 2009

01 - POSIÇÃO * Neste chão!




Não canto, porque não quero,
nem filhos de algo, nem clero.

Poeta, filho do vento,
invento os meus pergaminhos!
Que fiquem, por testamento,
ao pó de incertos caminhos!

Poeta sou, panteísta!
Acima de mim permito
apenas quem, alquimista,
poemas faz de infinito.

Poeta sou, neste chão!
E canto como quem lavra
uma promessa de pão
suado em cada palavra...





José-Augusto de Carvalho

17 de Abril de 2006.
Viana * Évora * Portugal
In Da humana condição, Março de 2008.

Sem comentários: