terça-feira, 24 de janeiro de 2017

16 - NA REVOLUÇÃO DOS CRAVOS * Couço, Agosto de 1975,




A Reforma Agrária no imenso abraço POVO+MFA

O Capitão Amílcar Rodrigues do MFA

(Movimento das Forças Armadas)

conversa com a jovem e linda camponesa de pés descalços.

domingo, 22 de janeiro de 2017

02 - O MEU RIMANCEIRO * Sonho de Primavera!



O MEU RIMANCEIRO

(QUE VIVA O CORDEL!)

*

Sonho de Primavera!






Quando tu acreditaste

que chegara a Primavera,

o medo gritou-te: espera!

e tu, confuso, esperaste.



Tiveste medo do medo,

do medo que te encarcera.

Foi porque tiveste medo

que perdeste a Primavera.



Depois, chegou o Verão,

muito quente, muito quente!

E tu, nessa lassidão,

dormias indiferente.



Quando acordaste, era Outono,

o tempo das azeitonas.

E tu, ainda com sono,

à modorra te abandonas!



Só quando em redor olhaste,

viste a paisagem mudada:

nua estava a débil haste,

no abandono desfolhada.



Ficaste sem entender

o que tinha acontecido,

como se pudesse haver

no não-ser algum sentido.



Hoje, nas águas paradas

do paúl tentas sonhar

caravelas encantadas

sedentas por navegar.





José-Augusto de Carvalho
Alentejo, 22 de Janeiro de 2017.




sábado, 21 de janeiro de 2017

02 - POESIA VIVA * Urgência





Nesta encruzilhada global,

é urgente questionar.



Nesta encruzilhada global,

é urgente interpretar o Passado,

é urgente situar o Presente,

é urgente prevenir o Futuro.



Nesta encruzilhada global,

é urgente regressar à rosa-dos-ventos,

é urgente definir a rota,

é urgente enfrentar as borrascas,

é urgente dobrar o cabo da negação.



Nesta encruzilhada global,

é urgente recusar os feitiços dos cantos das sereias,

é urgente recusar as tentações,

é urgente evitar o naufrágio da perdição

é urgente dobrar outra vez o Cabo das Tormentas





José-Augusto de Carvalho
Alentejo, 9 de Dezembro de 2016.

03 - O MEU RIMANCEIRO * A balança



O MEU RIMANCEIRO

(QUE VIVA O CORDEL!)

*

A balança




Põe os pratos na balança!

Pesa-me um quilo de pão

e dez gramas de esperança

para eu comer ao serão.



Põe os pratos na balança

e deixa a dança parar.

Se não parares a dança,

no peso vais me enganar.



Sei que de pobre não passo,

quer tu me enganes ou não,

enquanto tolhe o meu braço

a insana resignação.



Talvez este tempo mude,

porque a inércia não existe,

e eu podendo o que não pude

faça o que tu nunca viste.



E quanto hoje tão mal aprontas,

numa gula sem parança,

serão parcelas das contas

a pesar noutra balança.





José-Augusto de Carvalho
Alentejo. 21 de Janeiro de 2017.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

03- O MEU RIMANCEIRO * Que viva o cordel!


O MEU RIMANCEIRO

(QUE VIVA O CORDEL!)

*

O jumento




Tão manso, sobe a ladeira!
Manso, manso, mansidão!
Vai à feira, vem da feira,
leva ou traz a servidão.


Sobre o dorso, pesa a albarda.
Sobre a albarda vai o dono.
Só a noite alta lhe guarda
algumas horas de sono.


No estábulo solitário
espera a magra ração:
é o mísero salário
de quem vive em servidão.


Cale-se a palavra gasta
incensando a compaixão!
De tantas loas já basta!
É tempo de dizer não!


E que venha o que vier
na mudança anunciada!
Traga a vida o que trouxer, 
sempre será outra estrada.



José-Augusto de Carvalho
Alentejo, 20 de Janeiro de 2017.

sábado, 14 de janeiro de 2017

12 - HISTÓRIA * Coerência e elevação

Portugal, Lisboa - Assembleia da República, 11-1-2017
João Oliveira, presidente do grupo parlamentar do PCP

Sobre o voto de pesar pelo falecimento de Mário Soares
11 Janeiro 2017




Senhor Presidente,
Senhores membros do Governo,
Senhoras e senhores Deputados,

No momento em que a Assembleia da República assinala formalmente o falecimento do Dr. Mário Soares, quero começar, em nome do Grupo Parlamentar do PCP, por apresentar as condolências à sua família, em particular aos seus filhos, Deputado João Soares e Dra. Isabel Soares, aos seus netos e ao Grupo Parlamentar do PS.

O Dr. Mário Soares será lembrado como uma personalidade relevante da vida política nacional das últimas décadas, pela sua participação no combate à ditadura fascista e no apoio aos presos políticos, pela sua intervenção política como fundador e Secretário-geral do PS, pelo desempenho dos mais altos cargos políticos após o 25 de Abril, designadamente como Deputado à Assembleia Constituinte, à Assembleia da República e ao Parlamento Europeu, Primeiro-Ministro, Presidente da República e membro do Conselho de Estado.

Lembrando-o em todas essas circunstâncias, não deixa naturalmente de ser lembrado pelas convergências e divergências com que marcou as suas posições e percurso.

Não é este o momento apropriado para dissecar o deve e o haver das convergências e divergências que marcaram a relação do Dr. Mário Soares com o PCP mas seria hipocrisia política esconder que essas divergências existiram e que se basearam em convicções profundas quanto ao presente e ao futuro de Portugal.

Mário Soares convergiu com o PCP na luta contra o fascismo, pela liberdade e a democracia alcançadas com a Revolução de Abril, bem como em outros momentos da vida política nacional.

Pelas razões reais que em cada momento assumimos e não por efabulações construídas em processos de revisão da história, o PCP divergiu profundamente do Dr. Mário Soares pelo papel destacado que este assumiu no combate ao rumo emancipador da Revolução de Abril e a muitas das suas conquistas, incluindo a soberania nacional.

Continuamos hoje a ser oposição a um conjunto largo das suas ideias e posições cujas consequências permanecem e, em alguns casos, agravam os problemas nacionais, com um balanço que está longe de poder ser feito. A começar pelas consequências da adesão à então CEE em que assumiu responsabilidade destacada.

Não tendo nenhuma dessas circunstâncias constituído surpresa em vida do Dr. Mário Soares, ninguém se surpreenderá hoje que não partilhemos o elogio daquilo que marcou as nossas divergências.

O que em muitos casos é destacado por uns como elogio das posições ou da acção do Dr. Mário Soares é, por muitos outros, sentido negativamente como prejuízo causado ou expectativa frustrada.

Da parte do PCP, essas divergências, em muitos casos profundas, não impedem a expressão das nossas condolências porque sabemos que assumi-las quanto aos adversários políticos não é separável do combate de ideias nem da determinação do PCP em prosseguir a luta por uma democracia política, económica, social e cultural, pela soberania nacional, pelos valores de Abril, por uma sociedade socialista.


Disse.