quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

02 - POESIA VIVA * Abril!





Não mais, Abril, serás um simples mês

de um qualquer ano, em maquinal vaivém

de fatal movimento planetário!

Padrão moderno, assim te quis e fez,

repulsa do sarcasmo e do desdém,

o braço instante, estreme e voluntário.



O Tempo em tantos tempos derivado

cumpriu-se no caminho percorrido1

O lenho que deu mar ao mar que havia

voltou ao pátrio solo definido

e o rústico pinheiro, transformado,

ganhou raízes novas em Leiria!



De ciclo em ciclo, o tempo imaginário,

caminheiro, desvenda e traça rumos

e sempre um novo azul fecunda e gera.

Abril é deste tempo asserto e prumos!

Abril será o tempo necessário,

diverso ciclo, a mesma primavera!





José-Augusto de Carvalho
In “Sortilégio”, Lisboa, 198
6

Sem comentários: