segunda-feira, 24 de setembro de 2007

06 - ROMANCEIRO * Evasão

                                                             













Nem um palmo tinha

de terra que fosse minha!

A lonjura das herdades

ganhava ao longe da vista...

E o sangue do meu suor

a tudo deu de beber!

Não há homem que resista

quando tudo tem de dar

e nada que receber!

Quando até o pão que é seu

é obrigado a pagar..

Fui a gleba, fui a fome

Não tinha terra nem nome...



José-Augusto de Carvalho
In «arestas vivas», 1980.

Sem comentários: