quarta-feira, 5 de setembro de 2007

06 - ROMANCEIRO * Pão nosso!



Pão nosso que estás na mesa,

saciando a nossa fome...
Bendito seja o teu nome
de promessa e de certeza!

Pão nosso sempre amassado
com o suor que te damos,
que nunca mais pelos amos
sejas pão amargurado.

Vem até nós, por direito,
e que, como um mandamento,
sejas o sagrado alento
que brota da terra-leito!

Vem até nós, pão liberto,
que a Terra comum nos dá!
Que sejas como o maná
que já foi pão no deserto!...



José-Augusto de Carvalho

7 de Julho de 2007.
Viana  * Évora * Portugal